Ficou fácil viajar com crianças!

O nosso roteiro…de carro pelos Lagos Andinos: viagem da família Waldemarin Dias – Parte 3 (Chile)

Convidada Especial | Helen Waldemarin – Blog Ninho de Jeripoca

Continuamos com a última parte da nossa roadtrip em família que começou em Santiago, passou por Pucon (parte 1), foi até San Martin de Los Andes e Bariloche na Argentina (parte 2) e, finalmente, voltou para o Chile. 😉

Dia 14 BARILOCHE – PASO CARDENAL SAMORÉ – PUERTO VARAS (CHILE): (ver roteiro) Deixamos Bariloche (com gostinho de quero mais) de volta ao Chile, via Paso Cardenal Samoré.
O primeiro trecho da estrada até Villa La Angostura, é boa e parte dele beira o Lago Nahuel Huapi. A partir de Villa, o caminho vai serpenteando entre montanhas florestadas, bem bonito. Logo chegamos na Aduana Argentina e não tivemos tanta sorte quanto no dia da entrada no país. As filas estavam grandes mas quando chegou a nossa vez, até que o procedimento foi simples: apresentamos o envelope com os documentos do carro e os nossos, os policiais conferiram, carimbaram e pronto. No Paso Cardenal Samoré, a Aduana Chilena fica um pouco mais longe e andamos um bom trecho da estrada. No caminho demos uma parada no mirante do Cerro Pantojo, que é uma formação vulcânica bem interessante para os amantes de geologia.

Cerro-Pantojo-chileA Aduana Chilena também estava cheia mas, novamente, os procedimentos foram rápidos. Desta vez, tivemos que tirar as malas e abrir o porta malas, mas o fiscal só deu uma olhada e nos liberou. Infelizmente, no trecho chileno o tempo estava fechado com uma neblina que nos impediu de ver o Vulcão Puyueue (aquele que entrou em erupção em 2011 e causou vários problemas com as cinzas naquela região). Passamos rapidamente por Entre Lagos, mas não paramos. Dali, pegamos uma estrada secundária que segue até Puerto Octay sem passar por Osorno. O caminho é bem rural e o percurso foi feito mais devagar. Em Puerto Octay lanchamos no restaurante do Hotel Haase e depois seguimos até Frutillar e pela Ruta 5 até Puerto Varas (ver roteiro).

Chegando em Puerto Varas fizemos o check-in no $$$ Hostal Opapa Juan e, à noite, jantamos no Restaurante Mediterrâneo que apesar da vista para o Lago e ambiente agradável, tem um atendimento um pouco lento, com poucos funcionários.

Dia 15 – PUERTO VARAS – FRUTILLAR: (ver roteiro) – Infelizmente, o dia amanheceu bem fechado…Pegamos a Ruta 5 até Llanquihue e, de lá, a Ruta Lago Llanquihue até Frutillar. A estrada é bem bonita, com várias paisagens rurais e com lindas vistas do Lago Llanquihue, o maior lago chileno. Chegamos em Frutillar e fomos direto para a orla, que é um charme só! As crianças brincaram por um bom tempo em um parquinho bacana, fomos até o píer, compramos umas lembrancinhas nas lojas de artesanato e vimos a parte externa do Teatro, que tem uma arquitetura incrível! Uma pena que o dia estava bem cinza e até caiu uma garoa fina…
FrutillarFrutillarDepois de passearmos bastante, almoçamos no Rancho Espantapajaros, que fica na estrada entre Frutillar e Puerto Octay. O restaurante tem um salão grande e o almoço é em sistema buffet, com saladas, pratos quentes, churrasco e sobremesa incluída. Detalhe importante: tinham feijão, que nos ajudou a matar as saudades! 🙂 A mesa de sobremesas tinha frutas vermelhas frescas (framboesa preta e vermelha, morango, mirtilo) calda de chocolate, kunchen…uma delicia! Há mesas do lado de fora, uma ótima opção para dias bonitos!

rancho-espantapajarosE ainda tem escorregas para as crianças e vários animais: cabras, gansos, burros e alpacas…Uma coisa interessante: eles tem distribuidores onde colocamos moeda e pegamos ração para dar aos animais.

distribuidor-de-racaoClaro que as crianças amaram ver a cabra comer ração na mão deles! E os animais são bem mansos mesmo. As crianças se divertiram muito, foi difícil convencê-las a ir embora.

rancho-espantapajarosNa volta decidimos passar Puerto Varas e seguir na Ruta Lago Llanquihue em direção ao Vulcão Osorno. O caminho é bem bonito e se aproxima do Lago em vários trechos. Paramos para tomar um café e chocolate quente no Café Nahuel, que fica em uma casa com arquitetura típica da região. O local tem um jardim super bem cuidado e uma decoração bem simpática! Eles vendem tortas e kuchens bem bonitos, mas não chegamos a provar.
cafe-nahuelDia 16 – PUERTO VARAS – ILHA DE CHILOE: o plano nesse dia era irmos até a Isla de Chiloe e fazer o passeio até as pinguineras. Mas o dia amanheceu novamente fechado e chuvoso…porém, a previsão do tempo dizia que em Chiloe, o dia iria abrir de tarde. Com esse prognóstico fomos pela Ruta 5 rumo a Chiloe, debaixo de chuva…
Chegamos em Pargo e pegamos a balsa que atravessa o Canal de Chacao. A balsa é enorme e carrega passageiros, carros, ônibus e caminhões grandes! A travessia é rápida, dura uns 30 minutos e ainda vimos leões marinhos. Seguimos até Chacao que é a primeira cidadezinha na ilha. Lá visitamos a Iglesia de Chacao e seguimos até Ancud onde paramos na Oficina de Turismo para pegar folhetos e explicações sobre os pontos turísticos. Visitamos a Catedral e fomos até o Centro de Visitantes De La Fundación Amigos de las Iglesias de Chiloé. Esse centro funciona no antigo Convento de la Inmaculada Concepción de Ancud e a parte interna da capela foi transformada em um museu que contém réplicas das igrejas de madeira de Chiloe, tombadas como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.
Saímos da cidade em direção à Bahía de Puñihuil, onde ficam as Pinguineras. O acesso à praia é feito de carro pela areia mesmo e já na chegada existem pessoas oferecendo o passeio. Fomos até o final da praia, e estacionamos no Restaurante Bahia Puñihuil, que também funciona como operadora de passeio às pinguineras. No total são 3 restaurantes na praia, e esse nos chamou a atenção por ser mais alto e permitir uma boa vista da praia com janelões de vidro.
O restaurante é simples mas a comida estava gostosa. Depois do almoço compramos os tickets do passeio, vestimos os coletes salva vidas e seguimos para a beira do mar aguardar o embarque.

isla-de-chiloeUma coisa interessante é que eles carregam os passageiros em um carrinho de metal com grades até o barco, assim os passageiros não se molham! 😉

isla-de-chiloeO guia era ótimo e foi explicando tudo, falando o nome dos animais, etc. Os islotes, ilhas de pedras onde ficam os pinguins, estão localizados próximo à praia, e pouco tempo após iniciarmos a navegação já nos aproximamos do primeiro islote e logo vimos Chugungo, uma lontra marinha chilena. As crianças adoraram, até porque lontras são meus animais preferidos (estudei esses animais por muitos anos) e as crianças já ouviram falar muito delas! Logo em seguida paramos em frente a outro islote, onde vimos Pinguins de Magalhães, gaivotas, e outras aves…Em cada islote, o barco parava e o guia explicava, o que nos permitia ver, fotografar, perguntar, etc.

pinguinera-isla-de-chiloeFoi uma experiência bem interessante e uma aventura para as crianças. Depois de uns 40 minutos de passeio voltamos para praia e desembarcamos com a ajuda do tal “carrinho”. Pegamos o carro e retornamos à Ancud, mas por um caminho diferente, conforme sugerido pelo guia do barco. Seguimos até o final da praia e pegamos um caminho que seguia pelo alto de um penhasco, que permitia uma linda vista do mar abaixo. Essa estrada mais à frente se une com a estrada que pegamos na ida. Após passarmos por Ancud decidimos pegar um caminho diferente até Chacao, chamado de Ruta Caillin, guiados por um dos mapas que pegamos no Centro de Informações Turísticas. O caminho se aproxima do mar em alguns momentos e dá para ter vistas bonitas. Já no final do caminho chegamos na Bahia Caullin, um pouso de aves marinhas. Um lugar que nos surpreendeu: milhares de gaivotas pousadas no chão da praia. Milhares mesmo, sem exagero!

bahia-caullin-isla-chiloeNa volta, na entrada da balsa, mais uma surpresa: um par de cisnes de pescoço negro nadando tranquilamente! ☺
Chegando em Puerto Varas, fomos direto jantar no Restaurante Las Buenas Brasas, que é maravilhoso!
Constatações do dia:
1. Não desanime com um dia que amanhece ruim,
2. Viajar de carro nos dá a opção de fazer caminhos não planejados e de encontrar surpresas inesperadas!

Dia 17 – PUERTO VARAS – LAGO TODOS LOS SANTOS: pegamos a Ruta Lago Llanquihue em direção ao Lago Todos Los Santos. Felizmente o dia estava mais aberto e sem chuva. A estrada é de mão dupla e muito boa, com asfalto novo e bem sinalizada. Nossa primeira parada foi nos Saltos de Petrohue, que é um complexo de cachoeiras que fica dentro do Parque Nacional Vicente Perez Rosales. Tem estacionamento pago na entrada e tentamos nos informar sobre as trilhas, mas a explicação não foi das melhores. A Trilha dos Saltos tem uma ótima estrutura. É composta por passarelas com grades que passam sobre as quedas d’água. Muito seguro para as crianças e realmente lindo! A cor da água é incrível!

trilha-dos-saltos-de-petrohuetrilha-dos-saltos-de-petrohueAs trilhas seguem por dentro da florestas e passam perto do rio em vários trechos. São bem marcadas e bem mantidas mas, infelizmente, não tem sinalização, o que complica pois há várias bifurcações, trilhas que se cruzam e depois de um tempo não sabíamos mais se estávamos entrando ainda mais no parque, ou voltando para a entrada. Eles bem que podiam colocar placas com direção e comprimento das trilhas ou dar um mapinha na entrada! 🙁 Mas a caminhada por lá é bem agradável, com bastante sombra! Tive o azar de ser picada por uma abelha silvestre e por isso vale lembrar a importância de levar um anti-histamínico nesses passeios!
Na trilha, próximo da entrada dos Saltos, existe uma pequena lanchonete e próximo ao guichê de entrada há banheiros.
Dos Saltos seguimos a entrada até o Lago Todos Los Santos, com direito a algumas paradas para fotos em mirantes na beira do rio Petrohue. Em uma dessas paradas, demos de cara com o topo do Vulcão Osorno, saindo das nuvens! Lindo!

vulcao-osornoNa chegada ao Lago Todos Los Santos, pessoas ofereciam passeios de barco, mas preferimos não fechar naquela hora. Tem um estacionamento grande pago e, mais perto do lago, outro estacionamento gratuito. Andamos na beira do lago, com aquela cor maravilhosa! E tiramos mil fotos da paisagem e do Vulcão Osorno, enquanto as crianças brincaram na beira do lago. Tudo muito lindo!

lago-todos-los-santos-chileDecidimos ir até a base do Vulcão Osorno. A estrada tem muitas curvas e sobe bastante (como era de se esperar) mas está muito bem conservada. Na chegada, tem um grande estacionamento, que é onde funciona a base de esqui durante o inverno e o acesso ao teleférico. Nesse local tem também uma lanchonete, banheiros e uma lojinha que vende itens de presente, luvas, etc.

base-vulcao-osornoÉ bom estar preparado com roupas adequadas, pois venta bastante e é frio. Se for pegar o teleférico, mais ainda. Importante ter luvas, cachecol, gorro, etc. Como não estávamos tão preparados, decidimos não subir. Ficamos por ali tirando fotos, comemos um lanche e retornamos a Puerto Varas.

Chegamos na cidade ainda no final da tarde e aproveitamos para passear um pouco por lá, ver a vista do Osorno, visitar lojinhas e fomos também sondar informações sobre o “meio Cruce Andino”, o passeio de catamarã que sai do Lago Todos Los Santos e vai até Peulla.
lago-todo-los-santos-chileNossa intenção era sair de Puerto Varas no dia seguinte de manhã, mas pensamos em mudar de planos para fazer esse passeio; depois seguiríamos direto para Santiago (ao invés de fazermos 2 paradas no caminho). Infelizmente, o nosso Hostel não tinha vaga para mais uma noite e decidimos seguir nosso plano inicial, que era seguir até Valdívia no dia seguinte. Conclusão: teremos que voltar a Puerto Varas para fazer esse passeio! 😉
Depois de passearmos bastante, jantamos no Restaurante La Marca, que tem carnes maravilhosas!

Dia 18 – PUERTO VARAS – VALDIVIA: (ver roteiro) Pegamos a Ruta 5 e chegamos em Valdívia no final da manhã. Passamos direto no Apart Hotel Rio Cruces fazer o check-in. Depois fomos ao Mercado, demos uma volta na Feria Fluvial, que é interessante: as crianças viram vários peixes e frutos do mar à venda, e vimos os leões marinhos, que são visitas assíduas por lá.

leoes-marinhos-valdivia-chileAlmoçamos no Restaurante Valdiviano, atrás do Mercado (comida simples, mas gostosa e ótimo atendimento). Depois, seguimos em direção a Niebla, a área oceânica de Valdívia. A estrada é bem bonita, e atravessa vários rios e áreas alagadas. Passamos por Niebla e seguimos para a área costeira, onde ficam as praias do Pacífico. Passamos pela Playa Los Molinos e fomos até a Playa San Ignacio. A estrada passa por cima do morro, e vemos a praia ao longe. Demoramos um pouco para descobrir como chegar com o carro. Após pedirmos informações aos locais, descobrimos um acesso por uma casa, onde a proprietária cobra um valor pequeno para acessar a praia, estacionar e usar os banheiros. O acesso era bom e foi fácil. Chegamos já próximo do horário do pôr do sol. No retorno ainda paramos em alguns mirantes, e na Playa Los Molinos para ver o pôr do sol de outros ângulos (e tirar milhões de fotos ;)!

playa-los-molinosplaya-los-molinosVoltamos para Valdívia e jantamos no restaurante Approach, que fica na Isla Teja. Eles servem massas caseiras gostosas em um ambiente bem agradável!

Dia 19 – VALDIVIA – BULNES 424Km: (ver roteiro) Após o café da manhã, pegamos a estrada rumo a Bulnes, nossa próxima parada. Infelizmente a estrada que liga Valdívia a Ruta 5 estava em obra, com vários trechos em “sistema pare-e-siga”, o que nos atrasou um pouco…A Ruta 5, como já falei, é ótima e fizemos umas paradas nos nossos já conhecidos Postos Copec. Da estrada, quando passamos perto de Pucon foi possível avistar o Vulcão Villarica, agora sem neve no topo, após a erupção que ocorreu no dia 02/03.
Chegamos na Hosteria da Viña Chilan no final da tarde, relaxamos nas mesas sob as parreiras e comemos uma massa caseira acompanhada de um bom vinho, no restaurante deles! ☺

Dia 20 BULNES – SANTIAGO 427 Km: (ver roteiro) Após o café da manhã, compramos uns vinhos de presente enquanto as crianças brincaram no parquinho, conversamos com o proprietário, que é uma simpatia, e pegamos a estrada rumo à Santiago. Chegamos no final da tarde, fizemos check-in no Hotel Time Suites (o mesmo onde nos hospedamos no início da viagem), descarregamos o carro e fomos devolvê-lo na Chilean Rent a Car. A devolução foi tranquila. De lá, caminhamos até o Patio Bellavista, onde jantamos novamente no Backstage. Como decidimos passear até Valle Nevado no dia seguinte, fechei pelo whatsapp um passeio privado com a Dani Ferreira, da empresa Viaja Brasil.

Dia 21 SANTIAGO – VALLE NEVADO: saímos do hotel às 9h. A van era bem nova e o motorista muito simpático. Usamos nossas cadeirinhas de criança, pois como marcamos muito em cima da hora eles não tinham 3 cadeiras disponíveis. O passeio foi tranquilo. O caminho tem muitas curvas, mas é bem bonito. Seguimos direto para o Valle Nevado onde o motorista estacionou e nos explicou o que poderíamos fazer por lá. Decidimos pegar uma trilha até um mirante e para as crianças, acho que essa foi a atividade mais sacrificante da viagem. Apesar de estar frio, o dia estava bem ensolarado e o caminho é totalmente aberto, sem sombras, além de íngreme. As crianças ficaram bem cansadas, e queriam sentar o tempo todo. Fizemos o percurso bem devagar. Mas para os adultos compensou: a vista de lá de cima é linda!

valle-nevado-no veraovalle-nevado-no-veraoNa descida demos uma parada em Farellones, que achamos super simpática! Deve ser um lugar ótimo para passar umas noites no período de temporada de neve!
Retornamos para Santiago e almoçamos na Confiteria Torres, sentados em uma mesa na calçada. Depois fomos até a Plaza Peru, onde as crianças se acabaram de brincar nos brinquedos maravilhosos do parquinho! Passeio super aprovado com crianças em Santiago!

plaza-peru-santiago-chileDia 22 – SANTIAGO – AEROPORTO: Acordamos bem cedo e como o Hotel entrega os itens do café na véspera, pudemos tomar café e fazer o check-out. A van da Souzas Tour, que contratamos para o transfer para o aeroporto, chegou pontualmente no horário marcado. Na viagem de volta, as crianças ainda receberam um convite do comandante para visitar a cabine após o pouso. E lá fomos nós, fechar a viagem com chave de ouro, com direito a foto na cabine!

A viagem foi maravilhosa! E o mais importante: as crianças amaram, o que pode ser resumido em um comentário do Francisco: “Mamãe, nós já fomos várias vezes para São Lourenço e para Mauá…podemos vir mais vezes no Chile e na Argentina também?” 😉

 

Helen, muito obrigada pelo detalhe do relato e fotos!

Leia também:
O nosso roteiro…de carro pelos Lagos Andinos: parte 1 (Chile)
O nosso roteiro…de carro pelos Lagos Andinos: parte 2 (Argentina)
O nosso roteiro no…Chile e Argentina: Santiago, Mendoza, Bariloche e Pucon.

Também estamos por aqui:
FACEBOOK TWITTER | INSTAGRAM | GRUPO VIAGENS EM FAMÍLIA

3590 Visualizações

Sut-Mie Guibert, Family Travel Blogger, Blogueira especializada em Viagens em Família, com crianças e bebês. Jornalista e mãe de duas meninas de 5 e 2 anos, adora levar as crianças para conhecer o mundo! Mas também gosta de escutar e falar sobre o assunto com outras famílias, que são sempre bem-vindas por aqui!

7 comentários para este artigo

  1. Patricia Costa disse:

    Estou indo para o Chile no próximo dia 14 e adorei os posts da família Waldemarian Dias. AS dicas são ótimas.

  2. Joana disse:

    Não tava conseguindo achar essa última parte da história, mas ainda bem que encontrei e amei todos os relatos da viagem. O percurso que a família Waldemarin fez está servindo de base para montar minha viagem. Muito obrigada por compartilhar sua viagem Helen!

  3. Viviane disse:

    Adorei seu roteiro, estou fazendo o meu é gostaria de saber onde alugaram o carro?
    Obrigada

Deixe seu Comentário





* Campos obrigatórios