Ficou fácil viajar com crianças!

10 passeios para fazer em Paraty com crianças

Passamos alguns dias em Paraty, a pequena cidade costeira que faz parte da Estrada Real e fica a 260 Km ao sul do Rio de Janeiro. Já conhecíamos a cidade, de passar e almoçar, a caminho de algum outro destino. Mas nunca tínhamos ficado vários dias e a região definitivamente merece mais atenção. Um bom lugar para passar dias tranquilos, contemplativos, na natureza e com praias calmas. Ideal com crianças pequenas. E para crianças um pouco maiores, o lugar é histórico, diferente. Uma joia da Costa Verde.

 

 

CUNHA

Para evitar o eventual trânsito de feriado da Rio-Santos (estrada costeira bem visual mas com muitas curvas e radares), preferimos pegar a Dutra (com 2 pedágios) em direção à São Paulo e sair em Guaratinguetá até Paraty, porque a intenção era conhecer e almoçar em Cunha.

Vai alugar carro no Rio ou em São Paulo? Compare os descontos das principais locadoras na RentalCars


Passando por Cunha, almoce no Restaurante Dona Felicidade, simples, com comida caseira e deliciosa feita no fogão à lenha. O lugar é bem amplo, verde, tem parquinho e alguns bichos. Ideal para as crianças curtirem enquanto esperam a comida. Faça reserva e chegue cedo, porque a Dona Felicidade também é uma Pousada e o restaurante atende à todos. Em pleno feriado, às 14h30 não estavam aceitando mais ninguém.
Um pouco mais adiante, fica o Lavandário de Cunha, o passeio mais esperado do dia! O lugar é bem pequeno, mas charmoso, e com uma vista sensacional para o Vale e Serra da Mantiqueira. As lavandas ficam protegidas por cercas, então não dá para circular no meio delas, como na Provence. Mas só de vê-las de perto, sentir o aroma, tirar umas fotos e ver a vista já valeu. Até porque o passeio não é caro: R$10/adulto. Há um barzinho que serve tortas salgadas com lavanda, sorvete com lavanda e até o café tem sementes de lavanda.
Deixe para tomar o café um pouco mais adiante na estrada, na Fazenda Aracatu, que tem um empório logo na entrada. É um antiquário, que vende produtos locais, bolos, shiitake de produtores locais, café feito no forno à lenha e sorvetes cremosos produzidos com leite da própria Fazenda. As crianças vão adorar tomar sorvete, descobrindo como era um ferro de passar a carvão, um telefone antigo ou até um carrinho de bebê dos avós.
Dali, estamos a 1h de Paraty. Apesar de serem somente 37 Km, a estrada tem bastante curvas nesse trecho (atenção quem enjoa) e o caminho fica bem estreito, com alguns buracos, mesmo se ela está toda asfaltada. Evite pegar essa estrada à noite.

PARATY E ARREDORES

Seguimos as dicas da Paula Bertone, que mora em Paraty com a família e fizemos vários passeios pela região. São passeios que duram a tarde/dia inteiro:

=> TRINDADE (na estrada, em direção à Ubatuba)

Fomos conhecer este vilarejo a 30 mn de Paraty. A estrada é boa. Só na chegada, o carro tem que passar por cima de uma pedras planas e dependendo da maré, tem um pouco de água. Impressiona mas o carro passa tranquilamente. Depois, há vários estacionamentos e pousadas que oferecem vagas. No Carnaval estava custando entre R$20 e R$30 para deixar o carro o dia todo. São várias praias por ali, mas as mais bonitas ficam dentro do Parque Nacional da Bocaina. A Praia do Meio é a que fica mais perto e por isso enche mais fácil nos feriados. Ela tem um rio que desemboca, então as crianças podem escolher brincar na praia ou no rio. Dali se pode pegar uma pequena trilha de 400m para a Praia da Caixa d’Aço, a praia de maior extensão do parque. A trilha não é comprida, mas ela sobe e desce. Dá para fazer com crianças de 4/5 anos, porque a trilha é feita de degraus com as raízes das árvores. A praia é muito bonita com a vegetação do Parque atrás. Mas não tem nenhuma estrutura: leve uma barraca, água e biscoitos.

No final da praia, tem uma piscina natural cercada de pedras. Mas não fomos, porque a caminhada é longa, dada a extensão da praia e fazia muito calor! Mas, da Praia do Meio, é possível pegar um barco que faz esse passeio até a piscina. Custa R$30/pessoa, na alta estação.
Depois da praia, restaurantes bem simples oferecem PF (pratos feitos) por R$20/R$30.
Se for feriado ou férias, esqueça conhecer Trindade. 🙁 O vilarejo, que é bem simples, LOTA e não tem estrutura para tanta gente. Tudo fica bem saturado: banheiros, restaurantes, estacionamentos, internet, praias…

=> PRAIA DE CORUMBÊ E QUIOSQUE CHEIRO DE CAMARÃO (na estrada, em direção à Angra)

A Costa Verde é cheia de pequenas praias que passam completamente despercebidas a partir da estrada. Se não tivermos uma recomendação de quem mora por lá, é difícil conhecer esses “pequenos segredos”, como o Quiosque Cheiro de Camarão ou “Quiosque da Márcia“, como é localmente conhecido. O Quiosque é simples, com pé na areia, mesas e bancos de madeira. Mas a Márcia é simpática, caprichosa e deixa todos bem à vontade. A água é muito tranquila, quase uma lagoa. Então as crianças podem brincar à vontade, enquanto você toma uma boa caipirinha na beira d’água.
Depois, prove o filé de peixe ao molho de camarão e para sobremesa, a cocada com gengibre! E para fazer a digestão, alugue o SUP (stand up paddle – R$50/a hora) e descubra a igrejinha na ponta no lado esquerdo de quem olha para o mar.
A Márcia não aceita cartões, a internet por lá é muito intermitente. Só dinheiro ou cheque. Média de gastos de R$250 para 2 adultos e 2 crianças (comida caiçara, peixe, sucos, caipirinhas, água).

Quer se hospedar ao lado desta praia tranquila? Veja a Pousada Enseada do Jatobá – Excepcional no Booking

=> PARATY MIRIM E SACO DO MAMANGUÁ (na estrada, em direção à Ubatuba).

Saindo da BR 101, a estrada para Paraty Mirim praticamente não é asfaltada, então, se chover, é melhor evitar. Mas se estiver seca, dá para passar bem. No final dela, há estacionamentos que cobram R$10 para o dia inteiro. A praia em Paraty Mirim já é bem bonita e tem ombrelones, cadeiras e mesas de plástico. Mas se o dia estiver bonito, o mais interessante é fazer um passeio de barco e visitar o Saco do Mamanguá, o único “fiorde brasileiro”, uma entrada de mar com 8km de extensão e 2Km de largura, cheio de pequenas praias praticamente desertas. Você pode visitar o Saco do Mamanguá saindo de barco desde Paraty, mas o trajeto dura 2h! Já saindo de Paraty Mirim é melhor, porque você chega lá de carro em 30 mn e depois, é um trajeto de 15mn de barco. Seguindo mais uma dica da Paula Bertone, marcamos o passeio na traineira do Niquinho.
Encontramos com ele às 11h30 e ficamos a tarde toda até as 17h30. Passamos pela praias do Buraco, praia Deserta, almoçamos no Cruzeiro com vista para o Pico do Pão de Açúcar (se for marcado com ele, dá até para fazer a trilha e subir), fomos até o final do Mamanguá, onde há um mangue e é possível entrar de caiaque e voltamos pela praia de Parcas, onde paramos mais uma vez para banho.

A traineira Nascer do Sol é perfeita: bem mantida, limpa, confortável (cabem 12 pessoas + o marinheiro), com coletes salva-vidas novos, mangueira de água doce, máscaras para snorkel, flotadores para cair na água e cooler (leve as bebidas e peça para ele preparar o gelo). Além disso, o Niquinho é muito simpático, solícito, conhece tudo e todos por ali, pois é caiçara, nasceu e mora lá. O passeio custou R$350 (ideal dividir com outra família ou amigos) e o almoço R$220 (peixe frito, arroz, pirão, caipirinhas e jarra de limonada para casal + 2 crianças). Tudo em dinheiro, já que, uma vez mais, a internet é muito intermitente na região.
Anote aí o celular do Niquinho: +55(24) 99965-4649. Ele tem whatsapp, mas melhor mesmo é ligar.

=> MINI ESTRADA REAL (na estrada Paraty – Cunha)

Um mini Parque com réplicas e miniaturas perfeitas dos principais monumentos da Estrada Real. O Seu Marcelo fabrica tudo sozinho em um ateliê ali mesmo. Para crianças em idade escolar ou que já visitaram cidades como Ouro Preto, Tiradentes… é bem interessante.

A visita é guiada e dura uns 30/40 mn. Custa R$14/adultos e R$7/crianças acima de 6 anos. Tente ir cedo para pegar menos sol. As miniaturas ficam no jardim.

=> Como essa visita é rápida, pode ser feita no caminho para as CACHOEIRAS DO TOBOGÃ E POÇO DO TARZAN. Vocês podem almoçar por lá mesmo, ou ali do lado, no Restaurante Villa Verde, que serve massas e também tem jardim e cachoeira. Outra opção é seguir até Cunha e fazer os passeios citados no início do post.

=> PRAIA DE JABAQUARA E QUIOSQUE BALACOBACCO (ao lado de Paraty)

Este é o primeiro quiosque após a ponte, vindo de Paraty, ou o último da praia se vier do outro lado. Ele fica num canto com paisagem bucólica, onde desemboca o mangue e tem uma ilha com pedras grandes, paisagem bem característica da Costa Verde. O mar esverdeado é bem calminho, quase uma lagoa e, uma vez mais, as crianças podem brincar tranquilamente. O BalacoBacco se define como “gastronomia e boemia com pé na areia” e é bem isso: tem sofás e almofadões espalhados, redes e espreguiçadeiras. Só merecia dar uma renovada nesses panos de chita todos. Alguns estão bem velhinhos! 🙁
Mas isso à parte, o ambiente é familiar, com uma banda sonora muito agradável e atendimento simpático. E a comida também estava gostosa: os anéis de lula bem sequinhos (uma delícia) e o peixe tropical com gengibre, interessante. Desta vez, aceitam cartões. E uma vez mais, a conta beirou os R$220.
Depois do almoço, alugue um SUP ou caiaque (R$20/40mn) para descobrir o mangue. Outra opção é alugar uma bike na Sou + Bike para conhecer cachoeiras e outras praias.

Quer sair do buchicho do Centro histórico e se hospedar ao lado de Paraty, de frente para uma praia calma? A Paula Bertone aluga dois apartamentos em Jabaquara. Ela disponibiliza berço, brinquedos e os apartamentos são pet friendly.

=> CACHAÇARIA MARIA IZABEL (na estrada, em direção à Angra)

Este não é um programa exatamente infantil, mas essa é uma das melhores cachaças de Paraty e a cachaçaria é minúscula, num sítio à beira da água com muito verde em volta, então é um passeio que não demora muito e num ambiente agradável. Quem recebe você e conta toda a história e processo da cachaça é a própria Maria Izabel ou a sua filha. E só isso é espetacular, porque é possível sentir toda a paixão e esmero para fazer uma belíssima cachaça artesanal. Após entender todo o processo, você vai sentar na varanda e provar os diferentes envelhecimentos da cachaça (entre um e cinco anos no carvalho). E claro, na lojinha poderá comprar as diferentes bebidas com copinhos artesanais feitos por artistas locais. Tudo encantador.
A visita é cobrada: R$5/adulto e funciona até as 17h, sendo que fecha entre 12h – 14h. Vale agendar a visita: contato@mariaizabel.com.br ou pelo telefone/WhatsApp: +55(24) 99835-8814 /+55(24) 99999-9908

O lugar é muito discreto por ser a casa delas. Quase não tem placas indicativas, mas siga o Google Maps.
À direita do portão da entrada do sítio, há uma pequena trilha para uma prainha (sem estrutura). Esse pode ser um programa após a visita. Ou vocês podem almoçar no Quiosque da Márcia (já citado anteriormente) e passar o resto do dia na praia do Corumbê, ao lado.

Quer se hospedar neste lugar lindo e tranquilo? A Maria Izabel aluga suítes no Sítio (com berço) e até mesmo este chalé para 5 pessoas.

=> PASSEIO DE BARCO PELA BAÍA DE PARATY

Como nós havíamos feito o passeio no Saco do Mamanguá, acabamos não passeando de barco em Paraty mesmo. Mas não deixe de fazer. O interessante na Costa Verde é pegar um barco e ver as várias ilhas e praias praticamente desertas. Há diversas opções, entre as escunas (que eu não aconselho, pois apesar de serem mais baratas, R$50/pessoa, lotam, tem música alta e circuitos fixos), as traineiras, menores e com circuitos mais flexíveis são mais interessantes para famílias. Você também pode alugar lanchas ou até veleiros. Veja aqui as diversas indicações ou vá diretamente para o Cais, onde será abordado e poderá escolher.

=> CENTRO HISTÓRICO

O Centro histórico de Paraty é uma joia a ser visitada continuamente, tanto de dia quanto de noite. É tudo muito singelo, colorido e, na alta estação, cheio de artistas de rua. Uma cidade colonial que lembra as cidades mineiras da Estrada Real, mas com a particularidade de estar no nível do mar e com a Mata Atlântica atrás, o que rende um visual único. Qualquer cantinho ou rua é fotogênico. Há passeios de charrete, mas eu não aconselho, principalmente se você tiver problemas de coluna. As ruas são muito acidentadas, com pedras grandes, irregulares e algumas escorregadias. Esqueça também qualquer salto alto ou até o carrinho de bebê! O melhor é usar um sling e andar pelo meio da rua ou pela lateral, uma espécie de calçada, quando existe. É tudo feito para você andar devagar mesmo e apreciar. Repare nas portas, janelas, lustres, e até telhas de cerâmica.
Visite as lojas de artesanato local (Corumbê Arte & Casa, Canoá), as cachaçarias (Armazém da Cachaça, Empório da Cachaça), os cafés. Destaque para o Atelier da Terra que vende barquinhos de todos os tamanhos e coloca o nome que você quiser no barco. Observe a arte indígena vendida na rua, afinal Paraty tem áreas indígenas nos arredores.
Um momento interessante é quando o mar invade as ruas perto do cais 2 vezes ao dia, conforme a maré. As pessoas tem que atravessar as ruas sobre pontezinhas de madeira. A construção da cidade, feita desde o Império, é engenhosa: essa era a maneira de limpar as ruas e banheiros que mal existiam.

Carnaval em Paraty
Engana-se quem acha que não há Carnaval por lá. A pacata cidade se transforma e LOTA. Até demais! As ruas de paralelepípedo, já difíceis de andar ficam mais complicadas ainda com a quantidade de pessoas nas ruas. Há uma programação diária de blocos, sendo os mais conhecidos, o Bloco da Lama e os bonecões, bonecos com cabeças grandes de papier machê.

Onde Comer?
$$$ Banana da Terra: Excelente restaurante da Chef Ana Bueno, que faz parte da Associação do Prato da Boa Lembrança. Ambiente refinado e comida caiçara elaborada. Vale a experiência.
$$ Bendita’s: ambiente agradável, com música ao vivo à noite. Tem lápis de cera e folhas para colorir.
$$ Pippo: restaurante italiano que faz parte da Pousada do Sandi. Ambiente refinado e massas deliciosas. Tem menu infantil.
$$ La Dolce Vita Trattoria: uma cantina italiana despojada com pizzas e massas gostosas.
Pistache Gelateria: sorvetes bem cremosos com sabores diferentes

Onde ficar?
Pousada Villas de Paraty com piscina infantil, playground e Copa da Mamãe.
Pousada do Corsário tem piscina e Kids Club para crianças pequenas. Veja promoção no Zarpo.
Pousada Porto Imperial com piscina com parte rasa e excelente serviço
Refúgio Tropical Pousada e Flats tem apartamentos com cozinha e alguns duplex para até 6 pessoas. Veja o Refúgio Tropical no Zarpo também.
Opção simples e mais em conta: Doce Paraty, no Centro, tem piscina e brinquedoteca para crianças pequenas.

Booking.com: para ver e reservar outras Pousadas em Paraty (com possibilidade de marcar opção de quartos familiares)*

*Somos afiliados Booking e recebemos uma comissão pelas reservas feitas através do Blog. Você não paga nada mais por isso e nos ajuda a manter as melhores dicas!

Leia também:
Paraty com crianças: as dicas da Nina (3 anos) e dos seus pais
No Blog Bagagem de Mãe: Paraty com crianças
Na Revista Crescer: Paraty com crianças
No Blog Viajo com Filhos: Paraty com crianças
No Blog Pezinho na Estrada: Um fim de semana em Paraty
No Blog As Passeadeiras: Paraty com crianças
No Blog Roteiro Renatours: Paraty durante a Flipinha
No Blog Felipe, o Pequeno Viajante: Paraty e Trindade com crianças – passeios e dicas de viagem

Também estamos por aqui:

FACEBOOK TWITTER | INSTAGRAM | GRUPO VIAGENS EM FAMÍLIA

 

1792 Visualizações

Sut-Mie Guibert, Family Travel Blogger, Blogueira especializada em Viagens em Família, com crianças e bebês. Jornalista e mãe de duas meninas de 5 e 2 anos, adora levar as crianças para conhecer o mundo! Mas também gosta de escutar e falar sobre o assunto com outras famílias, que são sempre bem-vindas por aqui!

3 comentários para este artigo

  1. papy disse:

    Bom dia
    otima materia como todas as outras. Voce é top. Parabens e obrigada pelas dicasm

    voce poderia me informar se o mes de julho e bom para ir para paraty buzios cabo frio e etc

    • Sut-Mie Guibert disse:

      Olá Paloma,
      Obrigada pelos elogios! 🙂
      Olha…à priori não chove e os dias podem até ser bonitos. A pegadinha é que água fica bem fria, então não dá para visitar cachoeiras, por exemplo. Evite tb o início de Julho, porque a cidade fica lotada com a FLIP, Feira Literária. Se quiser participar, tem que reservar a pousada com bastante antecedência!
      Idem para Búzios e Cabo Frio: dias de sol mas água fria e friozinho à noite. Trazer casaquinho moletom ou casaco corta-vento, porque na beira do mar sempre tem mais vento! Vc viu o post sobre hotéis kids friendly em Búzios? Dê uma olhada no Zarpo tb, que sempre tem promos nos resorts em Búzios e Paraty!
      Um abraço

  2. Aline disse:

    Acho o blog sensacional. Vejo muitos falando que não dá para viajar com crianças, mas minha experiência de vida é completamente outra. Meus pais sempre me carregaram quando pequena para todos os lugares e isso foi muito importante para o meu crescimento. Parabéns por mostrarem isso ao mundo!

Deixe seu Comentário





* Campos obrigatórios