Ficou fácil viajar com crianças!

Dicas para prevenir o soroche ou mal de altitude

Uma das maiores preocupações para quem quer visitar Machu Picchu e Cusco, no Peru, é a questão da altitude. Ainda mais com crianças! Como combater ou evitar o famoso “soroche“, o mal de altitude ou mal das montanhas? É algo que pode acontecer acima dos 2.400m, então pode ser no Peru, na Bolívia, mas também no Valle Nevado, no Chile, ou em alguns picos da Suíça, França, Estados Unidos, para citar somente alguns lugares frequentados por famílias.
Seguem dicas do que fizemos com as crianças na nossa viagem ao Peru:

=> O Mal de altitude nada mais é que o seu corpo se acostumando à altitude ou baixa de pressão atmosférica. Quanto maior a altitude, menor a quantidade de oxigênio, pois o ar fica menos denso. Então o seu corpo reclama: podem ser dores de cabeça (sutil ou uma pontada forte), náuseas e prostração, como uma ressaca. Algumas pessoas podem até vomitar ou desmaiar.

O QUE NÃO FAZER:

– Lembre-se que tudo o que fizer vai exigir mais oxigênio, daí um cansaço e esforço físico maior. Faça tudo com calma. Cuidado com as ladeiras de Cusco. Nada de se agitar, correr, se abaixar, se virar muito rápido. Se o fizer, o corpo logo lhe lembrará que você não está em condições normais! 🙂
Cusco-soroche– Como o corpo precisa de mais oxigênio, a digestão também é mais lenta, então nada de comer coisas muito pesadas, senão vai ficar “conversando com a comida” e prostrado durante horas.

O QUE FAZER:

– O conselho que você mais vai ouvir em Cusco (3.400m de altitude) é: DESCANSE! Logo no primeiro dia e horas, deixe o seu corpo se acostumar. Apesar da sua sede de descobrir as novidades, fique no hotel, deite, tente dormir ou ver tv, fique sem fazer nada. Programe esse tempo no seu roteiro e chegada à cidade.
Nós chegamos em Cusco no final da tarde, então já ficamos no hotel para jantar e descansar e só iniciamos os passeios na manhã seguinte. O seu corpo vai pedir esse tempo de adaptação nos primeiros dois dias, depois as coisas vão normalizando e você não sentirá mais nada.

– Como a digestão fica mais lenta, COMA LEVE e EVITE BEBIDAS ALCÓOLICAS nas primeiras horas: uma sopa, frutas, um chá digestivo ou até antes ou durante a refeição. A bebida quente ajuda a dissolver as gorduras e facilita a digestão.
Na primeira noite, jantamos canja de galinha, leve e energética.

Cusco-sorocheBEBA BASTANTE ÁGUA. É importante se manter hidratado, já que o ar é rarefeito e o clima seco.

– No Peru (e Bolívia), é hábito mascar folhas de Coca, um costume milenar indígena, que ajuda a diminuir os efeitos da altitude. Para nós, não acostumados com isso, é mais fácil TOMAR CHÁ de coca (facilmente encontrado em hotéis, restaurantes e vendinhas) ou chá de muña (diz-se “munha”), digestivo. Porém, eles aconselham tomar chá de coca de manhã e não de noite, porque é um excitante e pode dificultar o sono. Já o chá de muña, pode ser a qualquer hora, principalmente após as refeições. A muña é uma erva aromática, um pouco mentolada. A menta dos Andes.

cha-de-coca-soroche– No nosso hotel, um dos garçons fez uma receita caseira: colocou uma mistura de folhas de muña amassadas com álcool em um copo e nós tínhamos que cheirar isso sempre que estivéssemos nos sentindo mal. A mistura de álcool com o mentolado ajuda a respirar melhor, trazer mais oxigênio rapidamente. Algumas pessoas passam essa mistura nas mãos, pulsos, pescoço… Nós vimos essa mesma mistura ser oferecida em um restaurante à uma senhora que se sentiu mal.

– Como crianças não são de tomar chá, há balas de coca e muña em qualquer mercadinho/farmácia. Demora mais a fazer efeito que o chá, mas é uma novidade/curiosidade que as crianças podem experimentar. E o efeito placebo pode ajudar. 🙂

bala-de-coca-sorochebala-de-coca-soroche– Outra solução que você vê logo no aeroporto, são propagandas da “Sorojchi Pills“, que nada mais são que cápsulas de ácido acetilsalicílico, cafeína e salófeno (que se converte em mais ácido acetilsalicílico). Elas são encontradas em qualquer farmácia. Nós compramos e tomamos ao chegar em Cusco, mas nos disseram que deveríamos ter começado a tomar desde Lima, antes de chegar nas alturas. Tomamos principalmente para combater a dorzinha insistente de cabeça. Apesar de ser essencialmente uma aspirina, várias farmácias nos desaconselharam dar essas pílulas para as crianças. Mas você pode dar o remédio que a criança está acostumada para dor de cabeça (no nosso caso, Novalgina Infantil).
sorochi-pills
– Uma das principais e melhores soluções foi a compra de bombinhas de oxigênio (OxiShot), que já vem com aplicador. Elas são de aerosol e após algumas inaladas, o bem estar é imediato! Elas são encontradas em qualquer farmácia em diversos tamanhos. Nós compramos várias de tamanho médio (mais fácil de colocar na mochila para os passeios), por 35 soles (= R$35) cada. Quando aplicar? Sempre que a dor de cabeça e o mal estar ficarem fortes demais.

oxishot-soroche-cusco-machu-picchuoxishot-soroche-cusco– Em Cusco (assim como no Valle Nevado), muitos hotéis , restaurantes e até mesmo guias com transporte oferecem oxigênio (em bombinhas ou máscaras de oxigênio).

– Com a falta de oxigênio, é difícil dormir normalmente e você pode acordar com uma grande dor de cabeça no meio da noite. Para amenizar isso, alguns hotéis de luxo oferecem quartos pressurizados, como as cabines de avião. É o caso do JW Marriott El Convento Cusco, o único da cidade que tem todos os quartos pressurizados e com distribuição constante de oxigênio! Além desse detalhe importante, ele é um antigo convento com decoração linda, excelente café da manhã e quartos familiares para casal + 2 crianças.

– Cada pessoa e corpo tem uma reação, por isso é difícil prever, mas é primordial ter um SEGURO DE VIAGEM* que possa ser acionado se você se sentir muito mal e nenhuma dessas dicas adiantar! Além disso, consulte o seu médico e o pediatra das crianças antes de viajar.
*tenha 15% de desconto no seguro usando o código 2017AFL

E AS CRIANÇAS?
Bem, as crianças são sensíveis mas, normalmente, o metabolismo delas se adapta melhor e mais rápido. Em relação aos adultos, as crianças têm um déficit de oxigênio menor quando fazem exercícios aeróbicos. Por isso elas tem tanta energia, pulam, correm e não se cansam! 🙂
No geral, sempre ouvi mais relatos de adultos que passaram mal com a altitude do que crianças.

A nossa filha de 5 anos ficou absolutamente normal, inclusive pulava e corria, como se de nada fosse!
Já a filha de 9 anos teve muita dor de cabeça. Mas como ela chegou em Cusco resfriada, isso prejudicou muito a condição dela. Piorou a falta de oxigênio. Ela usou muita bombinha OxiShot nos passeios e máscara de oxigênio no Hotel. Já em Machu Picchu, ela ficou ótima, dado que as ruínas se encontram a 2.400m de altitude (1.000m mais baixo que Cusco) e o corpo dela já tinha se acostumado.

Machu-Picchu-com-criancas=> Aliás, para não passar mal em Machu Picchu, é bom se ambientar alguns dias antes em Cusco ou no Vale Sagrado.

 

* Viajamos com o nosso parceiro oficial, a Agência de viagens Viajar com Crianças, e conhecemos o roteiro Cusco e Machu Picchu com crianças.

Veja mais fotos desta viagem no instagram @viajandocompimpolhos, hashtag #pimpolhosnoPeru

Leia também:
15 razões para conhecer o Peru com crianças
Viajar para o Peru com crianças
Salar de Uyuni com crianças – Bolívia

Também estamos por aqui:

FACEBOOK TWITTER | INSTAGRAM | GRUPO VIAGENS EM FAMÍLIA

781 Visualizações

Sut-Mie Guibert, Family Travel Blogger, Blogueira especializada em Viagens em Família, com crianças e bebês. Jornalista e mãe de duas meninas de 5 e 2 anos, adora levar as crianças para conhecer o mundo! Mas também gosta de escutar e falar sobre o assunto com outras famílias, que são sempre bem-vindas por aqui!

1 comentário para este artigo

  1. Amei! Post super detalhado e com muitas informações super úteis! Tudo anotado! ?

Deixe seu Comentário





* Campos obrigatórios