Ficou fácil viajar com crianças!

França com crianças: 5 dias de carro pela Provence

Esta foi uma de nossas viagens mais bonitas! As paisagens, os vilarejos, a comida, os cheiros…de encher os olhos e sentidos! A França é sempre uma boa pedida, seja Paris, os Castelos do Vale do Loire, ou o Sul, entre tantas outras regiões e opções! Eu tinha o sonho de ver os campos de lavanda na Provence e, se você também quer vê-los, a melhor época para fazer isso é agora, no mês de julho! E é ideal, porque são as férias das crianças!

ORGANIZAÇÃO
Chegamos de Paris, onde passamos 1 semana e descemos para o Sul da França de trem low cost Ouigo, como já contei aqui. Na chegada, na própria estação de trem, pegamos o nosso carro alugado e fomos para o Hotel, o Novotel Aix-en-Provence Beaumanoir. Nessa região, confesso que é tudo tão charmoso que valeria à pena ficar em algum vilarejo ou Pousada (o que eles chamam de “Gîte”) no campo. Mas nós pegamos a excelente promo anual da Accor, com descontos de -40% e o preço da estadia falou mais alto. Como a nossa intenção era passear bastante e só dormir no hotel, acabamos fechando: pagamos 84 euros/noite para 4 pessoas com excelente café da manhã! Para a nossa surpresa e sorte, acabou que o Hotel ficou idealmente localizado para explorar a região: um pouco antes de entrar na cidade de Aix, então não pegávamos trânsito e bem ao lado da autoestrada, fácil de sair e voltar dos passeios. Além do mais, sem dor de cabeça para estacionar já que o hotel tinha estacionamento gratuito.

Ficamos 5 dias na Provence

Dia 1: Cassis e Aix en Provence
Fomos imediatamente visitar esta cidade litorânea linda! De Aix, é pertinho, a 45mn de carro pela autoestrada, com alguns pedágios.
Apesar de ser autoestrada, o caminho é bonito. Chegamos pelo alto das montanhas e Cassis fica na beira do mar, então a vista é linda enquanto vamos descendo, entre vinícolas, até chegar na cidade que é bem pequena. É difícil circular de carro, tanto pelo tamanho de Cassis quanto pelo número de ruas para pedestres. Então, assim que vamos chegando, começam a aparecer placas azuis (P parking) para estacionamentos pagos e é melhor estacionar logo e continuar a pé. Nós estacionamos no Les Mimosas, fácil de chegar e sair da cidade e à alguns metros a pé do centrinho.
Cassis é linda! Daquelas cidadezinhas provençal bem charmosas onde tudo vale à pena ser saboreado com calma: as praças com fontes, os mercados de produtos artesanais, as lojinhas com produtos provençais e ainda na beira do mar, com um cais cheio de barquinhos coloridos e de onde partem os passeios para as Calanques, que ficam ao lado.
CassisCassisNa paisagem ainda tem uma montanha com um castelo (que hoje é um hotel de Luxo), uma praia e a visão do Cap Canaille, uma falésia alta de 363m e de cor avermelhada que muda com a luz do dia. O todo é puro charme!
CassisCap-Canaille-CassisVá até a praia no final do Porto e, assim, chega no Office du Tourisme, onde vale à pena entrar e descobrir que a cidade, apesar de ser minúscula, oferece uma multitude de programas para fazer! Ali, eles dão informações, mapas e podem comprar vários passeios.
Nesse dia, descobrimos a cidade, comemos uma salada no porto, tomamos um sorvete Amorino, imperdível com o seu formato de flor e, já que o tempo não estava bom para passear de barco, optamos por dar uma voltinha de trem. O tour dura 1h e é ideal com crianças: diverte, dá para ter uma visão geral da cidade e fomos até o outro lado da baía, onde ele fez uma parada de 10 mn e foi possível ver as Calanques de cima. Ideal para bater uma foto! (7€/adulto e gratuito para crianças até 6 anos).
trenzinho-cassisCalanques-de-Cassis-do-altoDepois, fomos descobrir um pouco a cidade de Aix en Provence, passeamos pelo Cours Mirabeau, vimos a Fontaine de la Rotonde e acabamos jantando um crepe delicioso no Le Patacrêpe.
Em Aix também tem Tour de trenzinho que sai da Praça da Rotonda. É interessante para ter uma visão geral da cidade. Como tínhamos acabado de fazer um, deixamos esse de lado, mas é bom você saber, caso opte por este em vez do de Cassis.

Dia 2: Plateau de Valensole, Moustiers Ste Marie, Gorges du Verdon (distantes de 1h40 de carro)
Dia de ver finalmente os campos de Lavanda! Há diversos lugares na região, várias estradas onde é possível ver lavandas e girassóis na beira da estrada. Nós fomos guiados pelo lindo post da 13 Anos depois e fomos direto para Valensole. Passamos por Manosque, em frente à fábrica da L’Occitane, que eu teria gostado muito de visitar, mas não deu tempo. A visita é gratuita e acontece de segunda à sexta, às 10h e às 15h30. Tem que ser marcada por telefone ou email. Vale à pena passar pelo menos pela loja, que oferece 10% de desconto em relação ao preço normal.
No Plateau de Valensole, começam os campos de lavanda, na beira da estrada. Existem algumas lojas fofas e tínhamos aquela empolgação de quem vê os campos de lavanda pela primeira vez, parando a cada metro! 🙂
lavanda-Valensolegirassois-ValensoleLavande-ValensoleCoisas que não sabíamos: cada região tem mais ou menos a sua época, de junho até meados de agosto, então pode ser que em tal região ainda não tenha florido, ou em outra, a lavanda já tenha sido colhida. É bom verificar o calendário. E, outro detalhe importante que não aparece nas fotos: junto com as flores, vem as abelhas! Os campos são cheios de abelhas e as fotos são feitas bem rapidamente. 🙂

Depois disso, continuamos até Moustiers Sainte Marie que faz parte dos Vilarejos mais bonitos da França (Beaux Villages). E, efetivamente, o vilarejo faz jus ao título! É uma joia encravada num rochedo, com pontes, um rio, casinhas cor de terra alaranjada e, para coroar o todo, uma igreja lá no alto e uma estrela pendurada por cima do vilarejo. O verdadeiro vilarejo provençal!
Moustiers-Sainte-MarisMoustiers-Sainte-MarieA minha ideia inicial era almoçar na Bastide de Moustiers, um dos restaurantes do renomado Chef francês Alain Ducasse, mas tivemos que abortar o projeto, por estarmos com 4 crianças e ainda esfomeadas, já que chegamos tarde no vilarejo! 🙂
Esse é um ponto que merece atenção na França: muitos restaurantes fecham cedo no almoço (14h) ou não servem continuamente.
Acabamos optando por almoçar no La Cascade (um dos raros ainda abertos) e foi bem agradável, porque ele fica na beira do riacho que atravessa o vilarejo. Para a digestão, parte da família subiu até a Igreja de Notre Dame de Beauvoir (262 degraus), enquanto os outros curtiram as ruelas e lojinhas.

Moustiers-Sainte-MarieMoustiers-Sainte-MarieDepois, continuamos até as Gorges du Verdon: primeiro, fizemos o caminho de carro, para ter uma visão de cima dos cânions. Mas depois voltamos para o Lac de Sainte Croix, porque queríamos entrar nas Gorges du Verdon de pedalinho. Atenção: a dificuldade ali é fazer a meia-volta, porque a estrada para os carros é estreita (mão e contra-mão).
Gorges du VerdonLac-Sainte-CroixNo Lago, há vários pontos onde alugar pedalinhos ou caiaque por 1h. É o terceiro maior lago da França e vira uma verdadeira praia com famílias que se banham, apesar da água fria, mesmo no verão. Os pedalinhos, grandes e com espreguiçadeiras atrás, ficam disponíveis até as 18h e as crianças devem usar colete salva vidas. Muitas pessoas entram nas Gorges du Verdon de pedalinhos e, lá dentro, param e mergulham na água esmeralda. Nós fomos no final do dia, os cânions já estavam um pouco na sombra. Bom mesmo deve ser no meio da tarde, com sol a pino.
Lac-Sainte-Croix-Gorges-du-VerdonGorges-du-VerdonGorges-du-VerdonNo final do dia, adoramos tanto Moustiers Sainte Marie, que voltamos ali para jantar, já que fica pertinho do Lago e íamos chegar tarde em Aix en Provence. E foi bom, porque nos deu a oportunidade de ver a animação noturna de um vilarejo desses no verão, com mercado de produtos regionais, pintores, artistas ambulantes e até teatro de rua.

Dia 3: Ilha de Porquerolles (distante de 1h45 de carro)
Decidimos passar o dia na praia e aproveitar esse Mar Mediterrâneo: fomos direto para a Île de Porquerolles, que fica em frente à Hyères. A autoestrada vai até Hyère e, dali, seguimos as placas até o Porto, na península. Há vários estacionamentos pagos, mas cuidado: dependendo da época, todos lotam rapidamente. É bom chegar cedo.
Fizemos uma travessia de barco de 15 mn (tem horários fixos para ir e voltar. Fique ligado, principalmente se for alta estação. Não deixe a volta para o último barco, porque pode não ter mais espaço para a sua família). Custa 19,50€/adulto ida e volta e 17,30€ a partir de 4 anos.
Logo na chegada, no final do cais, tem o Office du Tourisme onde vale à pena passar para pegar um mapa e mais informações.
O bom ali é alugar uma bicicleta: esse é o meio de transporte da ilha, já que não tem carros. Há vários pontos de aluguel de bikes para adultos, crianças, com cadeirinha ou com cesto onde cabem até 2 crianças (até 50 Kg no total). Como as estradas são de terra, com pedras e algumas subidas, aconselho pegar bikes com cesto mesmo para as crianças maiores. Custa 15€ para o dia todo + a bike adulto 13€.
bike-em-PorquerollesIlha-de-PorquerollesA estrutura na ilha é bem boa: natural com muita gente caminhando a pé ou de bike, banheiros públicos nas praias e diversos restaurantes no centrinho. Experimente o Le Pélagos.
Há várias praias, o visual é sempre lindo, com água azul e muito transparente. As mais conhecidas são as que ficam mais perto do Porto, para um lado a Plage d’Argent ou para o lado oposto, a Notre Dame de Porquerolles.
Ilha-de-PorquerollesIlha-de-PorquerollesSobre as praias: não tem estrutura com ombrelones, você tem que achar uma sombra nas árvores ou pedras, o que pode ser difícil em pleno verão e se a ilha estiver cheia. Leve sempre água e um lanche, porque dependendo da praia, não tem bar. O negócio ali é andar de bike, ir vendo o visual e ir parando. Como muitas praias na região, elas são de pedrinhas, com gravetos, então é bom ter melissa, crocs ou sapatos de natação adequados para a água/praia. Sobre a temperatura da água: no verão ela gira em torno de 24C, mas para mim, ela parecia mais fria. 🙂

Dia 4: Cassis (distante de 45 de carro)
Já que o dia estava bonito e adoramos a cidade, voltamos à Cassis para visitar as Calanques! Fizemos o tour de barco de 45 mn que visita 3 Calanques: Port-Miou, Port-Pin e En-Vau. Os ingressos podem ser comprados numa barraca ali mesmo, do lado esquerdo do Porto. Custa 16€/adulto e 9,50€/criança dos 4 aos 10anos.

Dá para visitar as Calanques por trilha, a pé, e alguns passeiam até com crianças mas em pleno verão, as trilhas podem estar fechadas por risco de incêndio. Se você quiser fazer a trilha com crianças (de preferência maiores), leve muita água, boné, camiseta anti-UV, porque não há estrutura de apoio na praia. É uma trilha de mais ou menos 1h30. É necessário tênis ou boas botas para a caminhada. Veja os detalhes no post da 13 anos depois.
Com as crianças, nós preferimos visitar as Calanques de barco e a vista é linda. Só não dá para cair na água, o que é uma pena.
Calanques-de-CassisCalanques-de-CassisCalanques-de-CassisDe tarde, visitamos a vinícola Clos Sainte Magdelaine, pequena mas muito charmosa e muito interessante porque fica à beira mar, portanto a salinidade traz uma particularidade para esses vinhedos. A especialidade é o vinho branco e rosé e eles tem o selo AOC, vinhos de origem controlada de Cassis. Há 2 visitas por dia, às 11h e às 16 e custa 10€/adulto. Os ingressos podem ser comprados no Office du Tourisme na praia ou diretamente no local (com reserva pelo tel 04.42.01.70.28). Como a visita é rápida, foi ideal com crianças. Depois ainda podemos mergulhar na prainha que fica ao lado.
Clos-Sainte-MagdelaineJantamos no excelente e premiado Le Chaudron, que tem mesas externas e internas. Enche logo, então é bom reservar ou chegar cedo. Um dos donos, o David, morou no Brasil, fala português e é apaixonado pelo país. Aliás, a trilha sonora muitas vezes é brasileira. Mas, independente disso, a comida é excelente e o serviço também, muito simpático e acolhedor. Um dos melhores restaurantes da viagem.
Restaurante-Le-Chaudron-Cassis

Dia 5: Les Baux de Provence, Gordes, Rousillon (distante de 1h de carro)
Começamos o dia com uma exposição fantástica nas Carrières de Lumières: as Carrières são galerias dentro da pedra calcária, dentro da montanha, com blocos de pedra altíssimos nas quais projetam luz, imagens e tudo acompanhado de música alta. Uma exposição diferente, lindíssima pela grandeza do lugar, das obras e dessa mistura de luz e som. Nós vimos Klimt e foi inesquecível. Vale muito à pena, é uma experiência única! Crianças pequenas podem se assustar um pouco pelo escuro enquanto não começam as projeções, mas é muito rápido, porque as exposições se seguem com pouco tempo de interrupção. Custa 10,5€/adulto, 8,50€/crianças a partir dos 7 anos e segunda criança gratuita. Há ingressos combinados com o Castelo de Beaux de Provence, onde, dependendo da época (fim de semana, feriados e férias escolares) há festivais medievais. Dá para passar o dia todo no vilarejo, que mais uma vez faz parte dos Beaux Villages.
Les-Carrières-de-Lumières-Les-Baux-de-ProvenceMas nós seguimos caminho, porque ainda queríamos visitar outros vilarejos e esse era o nosso último dia. Fomos para Gordes, no Lubéron. Um vilarejo romano, com muitos muros e casas de pedras claras e principalmente, ele fica no alto de uma montanha com vista para o vale. Mais uma vez, tudo muito visual e charmoso! Por ali há vários bons hotéis e restaurantes com vista. Experimente o mais conhecido e chique, a Bastide de Gordes ou, bem mais em conta, o L’Encas, bem na Praça principal e que tem uma varandinha nos fundos com vista. Tente tomar um café, pelo menos, para ver a vista.

GordesGordesGordesGordes

De Gordes, terminamos o dia em Roussillon, ao lado, a 15 mn de carro. Este vilarejo também faz parte dos Beaux Villages e tem a particularidade de ser todo nos tons avermelhados, por causa da cor da terra ocre. É possível fazer uma caminhada (de 30 ou 60mn) para ver as falésias vermelhas, mas nós já estávamos cansados, preferimos andar pelo vilarejo, o que é sempre uma atração.

Sentiers-du-RoussillonRoussillonRoussillonJantamos na Praça principal, no terraço de um dos restaurantes, Bistrot du Roussillon, então as crianças podiam ir e vir, brincar na Praça. Nos fundos, descobri uma varanda com vista mas do lado da praça estava mais animado, até porque tinha um músico ambulante que cantava músicas típicas francesas.

Bistrot-du-RoussillonRoussillonDia seguinte, pegamos o Ouigo de volta e em 3h estávamos novamente em Paris, onde passamos mais alguns dias, mas com a certeza de voltar mais vezes na Provence. Afinal, são tantos vilarejos que não deu para ver tudo e a região merece muitas e muitas visitas! Cada lugar desses deu vontade de ficar vários dias.
Reserve um espaço na sua bagagem para os sachês de lavanda para as roupas, toalha de mesa provençal, mel de lavanda, sabonetes artesanais…eu que não sou de compras, fiquei doida! 🙂
lojas-na-Provence

Leia também:
Côte d’Azur com crianças
Vale do Loire com crianças
Blog todo sobre o assunto e em português: Destino Provence
Blog Filhinhos da Mamãe: Provence com bebê

Também estamos por aqui:
FACEBOOK TWITTER | INSTAGRAM | GRUPO VIAGENS EM FAMÍLIA

4950 Visualizações

Sut-Mie Guibert, Family Travel Blogger, Blogueira especializada em Viagens em Família, com crianças e bebês. Jornalista e mãe de duas meninas de 5 e 2 anos, adora levar as crianças para conhecer o mundo! Mas também gosta de escutar e falar sobre o assunto com outras famílias, que são sempre bem-vindas por aqui!

16 comentários para este artigo

  1. Anna Karla disse:

    Que post lindo, Sut! A Provence acaba de subir para o top 5 da minha wishlist! Fotos belíssimas.

  2. Sut-Mie, parabéns! Que post mais lindo! Fiquei lendo e babando nos relatos. Faz muito tempo que a Provence povoa meus sonhos de viagem! E França é Frnaça, né? rsrs… Mas dizem que é muuuito calor em julho. Vocês tiveram problemas com isso? Abraços!!!

    • Sut-Mie Guibert disse:

      Oi Liliane,
      É verdade que julho/agosto na Europa às vezes é bem quente. Mas eu não sei se foi por estar perto do mar, brisa, umidade…não sentimos (já senti mais calor abafado em Paris nessa época). Talvez seja o ano e tivemos sorte (há verões mais quentes), foi bem suportável. Agora, por exemplo, está 34C em Aix en Provence. Bem na média brasileira! 🙂
      Mas é conhecido que por ali ouve-se o canto das cigarras (inseto símbolo da região) que, justamente, anunciam o calor.
      Final de julho, muitas lavandas são colhidas então é bom ir no início/meados do mês.
      Bjs

  3. Carla Tores disse:

    Sut, parabéns!! Amei o post. Deu MUITA vontade de voltar. Fomos em abril e as flores ainda não estavam assim (nem dava para entrar no mar). Obrigada por linkar o Filhinhos da Mamãe (agora estamos em endereço novo: filhinhosdamamae.com.br). Abraços pra vc e seus pimpolhos.

  4. CArla disse:

    Olá Sut-Mie
    Vou fazer o roteiro da provence com meus três filhos agora, de 29/7 a 3/8. Você sabe dizer onde temos maiores chances de ver a lavanda? Sei´que é o período final da lavanda, mas foi o período que conseguimos a viagem…
    Adorei seu post. Veio muito a calhar pra nossas intenções.
    Obrigada,
    Carla

  5. Bóia disse:

    Oi, Sut. Tudo bem? 🙂

    Seu post foi selecionado para o #linkódromo, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia – Natalie

  6. Adriana disse:

    Acabei de voltar da França também. Sua viagem foi linda! A minha foi por Paris, Normandia, Mont Saint-Michel e Vale do Loire. Dei várias dicas no meu blog, aproveite para conhecer …. http://www.atravessarfronteiras.com/
    Adriana

  7. Ariane disse:

    Olá!!
    Gostaria de saber se quando alugaram o carro foi solicitado uma CNH internacional ou se sua CNH brasileira foi suficiente.

    Obrigada!

    Ariane

    • Sut-Mie Guibert disse:

      Olá Ariane,
      Efetivamente, nem falei desse detalhe importantíssimo no post e obrigada por chamar a minha atenção, vou acrescentar um parágrafo sobre isso. 🙂
      No meu caso, como sou francesa, eu tenho a carteira francesa. Mas no caso dos brasileiros, as locadoras aceitam:
      – a carteira brasileira, com tradução juramentada para francês,
      – ou a carteira internacional (mas SEMPRE com a sua carteira brasileira também). O mais prático, já que vai pagar algo, é fazer logo a carteira internacional, assim ela pode até ser usada em outros países e viagens! (informe-se no Detran da sua cidade)
      Um abraço

  8. Viviane disse:

    Olá! Por favor, gostaria de saber para onde é melhor com crianças em fevereiro: Sul da Espanha (com Barcelona) ou Sul da França. Meu marido só possui disponibilidade para viajar nesse período e estouro meio perdida aqui, precisando de sugestões. Já conhecemos Portugal e norte da Espanha. Muito obrigada!

  9. Ana disse:

    Olá! Você acha que dá pra fazer esta viagem com um bebê de 1 ano?

    • Sut-Mie Guibert disse:

      Olá Ana,
      Sim, pode ser perfeito! Como a região tem muitos vilarejos lindos e coisas para ver, vale à pena alugar um carro e, sendo assim, o bebê vai ficar confortável. Leve a cadeirinha de carro dele (eu sei que é pesado, mas vc despacha. Assim vc não corre o risco de ficar sem, é mais higiênico e como a criança está acostumado com ela, vai ser mais fácil). Ou então, compre uma lá em algum hiper mercado como Carrefour ou Auchan. Vale à pena, principalmente levando em conta o preço diário do aluguel.
      Para comidas, a França tem muitas marcas de papinhas interessantes, inclusive orgânicas. Se vc for num desses hipermercados, encontrará muitas coisas para bebês! Papinhas, fraldas, etc. Pode encontrar alguma coisa em farmácias também.
      Dá uma olhada neste post de outro blog e na lateral tem o descritivo das várias etapas da viagem: http://filhinhosdamamae.blogspot.com.br/2013/06/provence-relato-de-viagem-vence-st-paul.html
      Um abraço e boa viagem!

Deixe seu Comentário





* Campos obrigatórios