Ficou fácil viajar com crianças!

Me perguntaram o que eu achava de viajar com meus filhos :-)

Algo inédito aconteceu! Uma revista me pediu uma entrevista sobre o assunto “Férias e viajar com as crianças” e após responder detalhadamente e com carinho, acabei pedindo para não publicarem o meu texto (decisão tomada após uma crônica polêmica sobre outro assunto, um pedido de desculpas público da revista…enfim, não vem ao caso)! Mas fato é que as perguntas foram interessantes e pertinentes e a jornalista, que não teve nada à ver com o caso, diga-se de passagem, foi bem simpática e profissional. Para não perder este material, optei por compartilhá-lo com nossos leitores.

1- Por que viajar com os filhos?

Eu poderia citar um monte de razões e justificativas, mas posso falar também simplesmente: “porque justamente são meus filhos”, porque fazem parte de mim e quero levá-los para todos os lugares, apresentar destinos novos, experiências enriquecedoras. Prefiro levá-los do que pensar: “ah…se estivessem aqui!”
E fora que são momentos em família muito diferentes da rotina e intensos, onde estamos juntos 24h, descobrindo as coisas, se divertindo. Momentos que sempre criam lembranças e fotos especiais. Viajar normalmente já é gostoso, com filhos é melhor ainda!

Pimpolhos na Tailândia2- O que os pais devem esperar de férias com crianças? E o que não esperar?

O que esperar:
Esperar ver as coisas com novos olhos (os das crianças) mesmo nas paisagens já conhecidas,
Esperar momentos e lembranças intensas,
Reduzir o ritmo,
Preparar a viagem para que ela aconteça da melhor forma possível,

O que não esperar:
Controlar tudo, todas as situações, ter uma agenda muito lotada…: temos sempre que dar espaço ao inesperado em geral, mais ainda numa viagem com crianças, quando estas tem um ritmo mais lento e são mais sensíveis à tudo, mudanças, alimentação…
Em função disso também reduzir as expectativas.

3- Quais as viagens mais inesquecíveis que fizeram em família que recomendam para mães e pais?

Nossa viagens inesquecíveis foram para destinos exóticos e longínquos: Grécia pelas paisagens, Tailândia pela experiência como um todo (paisagens, comida, cultura…), Havaí por casar muito com o nosso estilo de vida, paisagens lindas, ambiente light, saudável, cultura diferente…
Mas adoramos o Brasil também! Sou francesa e apaixonada por esse país! O Brasil também tem isso tudo: paisagens maravilhosas, comida excelente, cultura riquíssima, povo acolhedor!

Grécia com crianças4- Como escolher aonde ir, qual melhor roteiro, onde ficar? Onde vocês costumam pesquisar e a quem pedem dicas (se o faz)?

Como escolher aonde ir para nós depende de vários fatores: à priori temos uma “lista de destinos desejados” (que só aumenta…). Na hora de escolher, isso entra em conta + a estação, época (até então não tínhamos problemas para escolher a época porque a filha mais velha estava somente no maternal. Agora ela vai começar o 1o ano e vamos ficar mais restritos). As promoções também entram em conta! Este ano, por exemplo, tínhamos programado férias completamente diferentes e em função de uma promoção imperdível, fomos todos parar no Havaí, destino oposto do inicialmente imaginado! 🙂

Havaí com criançasQual o melhor roteiro? O melhor roteiro depende bastante do destino e do estilo da família. Nós gostamos de destinos (e roteiros) que misturem os interesses para adultos e crianças. Ver uma atração, um museu de manhã, almoçar e brincar num parquinho à tarde, por exemplo…mas até as atrações mais turísticas podem ser muito interessantes para crianças! Elas amam tudo o que é diferente, impactante: Torre Eiffel, Estátua da Liberdade, Corcovado… (e não adianta dizer que elas não lembram de nada! Lembram sim desses monumentos, por exemplo)! Até hoje minha filha de 2 anos me fala de uma foca encontrada no Havaí!

Onde ficar?
Hoje em dia procuramos cada vez mais pousadas e hotéis com um mínimo de conforto. Não precisa ser luxuoso, mas também não dá para ser “qualquer lugar” como quando éramos solteiros! 😉 É interessante dar uma pesquisada, ver se o hotel tem algum interesse para crianças, pelo menos uma piscina, um gramado grande que sempre salvam! E o que é bacana é que aos virarmos pais, descobrimos que existem hotéis que vão além: tem brinquedotecas, Copa Baby, menu infantil…. não que isso tudo seja necessário, mas é verdade que é mais prático e agradável quando chegamos em um lugar em família e sabemos que as crianças são bem-vindas e até mimadas!
Muitas famílias com bebês e crianças pequenas também gostam da facilidade de apart-hotéis ou hotéis que tenham uma cozinha equipada. Bem mais fácil para lavar uma mamadeira, esquentar uma papinha… Em geral, esses lugares também tem mais espaço que um simples quarto de hotel. No blog, eu tenho feitos listas por destinos, de hotéis acolhedores para as famílias.

Onde costumamos pesquisar? Eu adoro a internet, procuro em blogs, sites, guias estrangeiros e nacionais…Atualmente sou moderadora de um grupo que criei no Facebook, o Viagens em Família, onde muitas famílias interagem e trocam dicas preciosas!

Tailândia com crianças5- Como começaram a fazer viagens em família? Vocês se lembram da primeira vez que viajaram com criança? Como foi esta experiência?

Começamos bem cedo, cada filha com 2, 3 meses. Com a primeira filha, fizemos uma viagem de carro quando ela tinha 3 meses e fomos para Visconde de Mauá na Serra, no meio do verde com cachoeiras… Com 8 meses, levamos ela para Paris e Portugal: uma viagem maior, de avião e carro com mudanças de hotéis. Mas foi tudo muito tranquilo e delicioso. A segunda filha viajou aos 2 meses para a Bolívia em um sling! No geral, somos da opinião que é bem mais fácil viajar com bebês, ainda mais quando eles mamam e nem temos que nos preocupar com a alimentação! Eles são pequenos, cabem em qualquer lugar (sling, carrinho) e quando são bem pequeninos o ritmo deles se resume a isso: mamam e dormem. Quando estão acordados, interagem com os pais, seja em casa ou do outro lado do mundo! 😉

6- Qual dica você daria para famílias que querem economizar na viagem de férias?

O que nós fazemos para economizar:
– viajar fora de época (quando dá),
– ter programas de milhagem,
– acompanhar o site Melhores Destinos que sempre está atualizado nas dicas e promoções de passagens baratas
– estar sempre antenado com promoções de voos, hotéis…
– separar uma verba mensal para viajar (e somos daqueles que preferem mil vezes viajar do que comprar um monte de coisas).
– aproveitar que muitos hotéis não cobram as crianças no quarto,
– as crianças muitas vezes não pagam as atrações ou só meia-entrada,
– elas comem pouco, menu kids ou um prato dividido…
– lembrar que luxo é uma delícia (bons hotéis, resorts), mas qualquer coisa diverte uma criança (pode ser uma pousada charmosa e acolhedora).
– lembrar que não precisa ir muito longe para viajar: qualquer mudança de rotina, paisagem…é uma viagem.

7- Dá para curtir as férias “em casa”? Já tiveram essa experiência?

Sinceramente…nós dificilmente “ficamos em casa”, ainda mais nas férias! Nós temos rodinhas nos pés! Qualquer feriado mais prolongado, já estamos imaginando o destino, nem que seja a 100 Km de carro…
Mas estamos vivendo a situação inversa: normalmente moramos no Rio de Janeiro e atualmente, estamos passando uma temporada fora, à trabalho. Eis que quando voltamos para a nossa cidade, tem sido “de férias” e aí, temos refeito vários programas turísticos para matar as saudades! Sempre dá para conhecer melhor a sua cidade, o seu bairro, nós adoramos turistar na nossa própria cidade e o Rio de Janeiro, para isso, é um prato cheio!

Rio de Janeiro com crianças8- Quais os itens básicos que as viagens de férias têm que ter? (Para que a experiência seja positiva a todos os membros da família?)

Itens básicos para as crianças:
Documentos para todos! Com 1 semana de vida, um bebê já pode ter passaporte e identidade!
– Uma mini farmácia com os remédios habituais, antitérmicos, antialérgicos…
– Se são bebês, todo o equipamento bebê que é necessário (fraldas, chupetas, mamadeiras, naninhas, leite,..),
– Não viajamos sem o carrinho guarda-chuva, essencial para carregar a criança, as sacolas, deixá-las dormir se precisarem..
– Gostamos de levar alguns brinquedos, referências de casa…(poucas e coisas pequenas: livrinhos, fantoches, panelinhas, carrinhos, algum jogo..)
– Normalmente os hotéis e pousadas tem berços. E para o banho, nossas crianças sempre foram direto no chuveiro, mesmo quando eram bebês. Mas se quiserem uma banheira, podem levar uma inflável ou uma piscininha.

9- Como você faz em relação à alimentação das crianças durante viagens? Relaxam ou tentam manter uma ‘rotina’?

Quando elas são bem bebês, não há preocupações, principalmente se mamam!
Depois, começa a fase da comidinha, papinha… é fácil encontrar frutas, biscoitos, pão em qualquer lugar. Para as papinhas, nunca me incomodei em dar as industrializadas (isso acontece de vez em quando, em exceções em alguma saída/passeio ou nas férias). Hoje em dia já existem as orgânicas e empresas que oferecem papinhas caseiras.
Tentamos manter a rotina de horários, até porque bebê com fome não espera!
Para crianças pequenas, é interessante levar sempre 1, 2 latas de leite na mala que é despachada (se for de avião), para ter leite pelo menos no início. Depois, procuramos localmente outro leite (claro, crianças com uma dieta normal, não no caso das alérgicas).
Senão, no geral, relaxamos…algumas crianças no início não querem comer, estranham, estão cansadas: nesse caso, damos o que ela tem vontade de comer: pão, leite, biscoitos, iogurte, frutas… aos poucos elas voltam ao normal.

10- Como lidar com os banhos, os horários de dormir e acordar e a arrumação do quarto/casa onde se hospedam? Quais as dicas que vocês podem dar em relação a estas questões que saem um pouco do roteiro nas férias?

Banhos: nós sempre entramos diretamente com os bebês no chuveiro, às vezes colocando uma toalhinha entre o corpo do bebê e o nosso para causar atrito e não escorregar. Mas há quem prefira uma banheira e nesse caso, melhor levar uma banheira de viagem ou uma piscininha inflável, mais barata e que serve perfeitamente.
Horários para dormir: tentamos manter mais ou menos a rotina. As crianças que tem rotina são “regulares”, elas mesmo ficam com sono em tal horário. A maior dificuldade é no início de uma mudança de fuso horário, por exemplo. Mas uns dois dias e a criança entra nos eixos, bem mais rápido do que nós!
Sobre arrumação: tentamos manter um padrão de coisas mais ou menos nos mesmos lugares, para não espalhar demais e correr o risco de perder alguma coisa. Passaportes e dinheiro ficam sempre no cofre do hotel ou na mala fechada com cadeado se não tem cofre.

11- O que não deixam de levar em viagem nenhuma?

O carrinho guarda-chuva! Algumas famílias hesitam sobre esse item e nós não abrimos mão! Mas ele tem que ser compacto, guarda-chuva mesmo, nada desses carrinhos ultra caros da última moda! Até porque são despachados (e “maltratados”) no avião. O nosso deita completamente, então as crianças podem dormir em qualquer hora, qualquer lugar. E ainda serve para carregar eventuais bolsas, vira porta trecos!

Hawaii com crianças12- Você são um casal que adoram viajar com os pimpolhos. E sabem fazer isso! Quais os lugares mais exóticos que conhecem e que são, sim, possíveis de serem conhecidos com as crianças?

Muitos lugares da Ásia são super kids friendly! A Tailândia, o Japão, Singapura, Hong Kong,… Países e lugares que tem uma estrutura super desenvolvida. E no geral, os asiáticos gostam muito de crianças, são extremamente acolhedores. Há muitos programas fascinantes com as crianças: andar de elefante, fazer passeios de barco, ver fazendas de tigres, templos e as cidades mesmo tem parquinhos incríveis, museus interessantes, restaurantes diferentes…

Tailândia com crianças13- O que a mãe – e o pai! – devem ter em mente antes de sair em viagem com família?

Que talvez tenham que ter mais paciência, mais adaptabilidade que o habitual. Justamente por serem situações e lugares desconhecidos. Ou, se os lugares não forem tão desconhecidos, o ritmo muda de qualquer forma: é outro, e há que se ter disponibilidade total de uns para os outros.

14- Ter roteiro ou não seguir roteiro?

Vai totalmente do estilo da família e das pessoas: há quem não viaje sem ter tudo programado no papel! Mas quando digo tudo, é tudo mesmo: com faixas horárias, telefones, programação diária… Já recebi vários emails de pessoas grávidas querendo programar férias para dali a um ano! A criança nem nasceu!
E há quem não goste de roteiros. É o nosso caso, mas com crianças, não dá para ficar totalmente à mercê das situações, então é bom estudar um mínimo sobre o destino, ter uma noção do que há para fazer em família! Nós sempre temos as “grandes linhas” do roteiro, até sabemos bastante detalhes, mas não é nosso estilo ter a programação diária ultra definida. Gostamos de flexibilidade!

15- Como lidar com “a culpa” quando a viagem não é aquela dos sonhos? (Tipo, quando só chove numa viagem à praia?).

Isso aconteceu conosco! Uma semana de férias em Cancun onde a metade dos dias choveu torrencialmente!… Cada um na verdade lida do seu jeito com a frustração: eu fiquei extremamente frustrada, meu marido é mais tranquilo… e para as crianças, tudo é festa sempre, elas estão com os pais em tempo integral! 🙂
Óbvio que nessas horas é bom estar num lugar com um mínimo de estrutura, o que já ajuda bastante! Um Kids Club ou pelo menos um hotel confortável onde dê para brincar, fazer jogos… E se em volta tiver programas indoor, melhor ainda: um museu, uma loja interessante, um bom restaurante… (no nosso caso, tinha um Shopping com um aquário que nos salvou)!

16- O que é “férias” para vocês?

Férias é um momento relaxante em família, independente do destino. Momento de se conectar uns aos outros, ter experiências diferentes, criar lembranças!

Havaí com criançasFIM. Espero que tenham gostado! 😉

 Também estamos por aqui:

FACEBOOK TWITTER | INSTAGRAM | GRUPO VIAGENS EM FAMÍLIA

6391 Visualizações

Sut-Mie Guibert, Family Travel Blogger, Blogueira especializada em Viagens em Família, com crianças e bebês. Jornalista e mãe de duas meninas de 5 e 2 anos, adora levar as crianças para conhecer o mundo! Mas também gosta de escutar e falar sobre o assunto com outras famílias, que são sempre bem-vindas por aqui!

6 comentários para este artigo

  1. Candisse disse:

    Sut Mie, adoro o seu blog!!! Virei fã dele! Eu e meu marido sempre fomos muito viajantes, e depois que o Gustavo nasceu só encaramos algumas viagens pelo Brasil, confesso que você nos deu a coragem que faltava para encaramos uma viagem para o exterior, estamos embarcando no próximo mês para os Estados Unidos, levando as suas dicas preciosas na bagagem!!! Beijos

  2. Danila Taba disse:

    Amei a entrevista, Sut!
    Talvez se tivesse saído na revista eu nem teria lido, ainda bem que publicou aqui também!!
    Tenho muitas viagens dos sonhos, mas Grécia entrou na minha listinha depois de ver as fotos lindas das suas pimpolhas naquele lugar!!!;)
    Ainda vou fotografar a Loly lá tb!! rs
    Beijos,
    Dani

  3. Barbara disse:

    Gostei muito da sua entrevista, aliás a abertura já foi fantástica. Concordo bastante sobre o por que viajar com os filhos. Eu também acho que temos que aproveitar muito essa fase, viver juntos essa experiência nova e enriquecedora para todos. Afinal, o tempo passa tão rápido, né?

    A única coisa que mudou bastante depois que minha filha Gaia nasceu é o estilo de viagem. Se antes topávamos todas – do camping ao hotel 5 estrelas – hoje prefiro apenas hospedagem beem confortável e raramente ficamos apenas 1 noite em um lugar. Antes de reservar um hotel, confiro se o quarto é razoavelmente grande, prefiro os quartos anti-barulho entre outros pequenos detalhes.

    Uma vez durante uma viagem começou a nascer o dente da minha filha e ela não parou de chorar a noite toda e, se não bastasse o cansaço de não conseguir pregar o olho, ainda tive que aguentar o vizinho de quarto esmurrando a parede e fazendo barulho a cada 5 minutos reclamando. Como se eu quisesse que a bebê chorasse às 3 da manhã. O problema não era o choro dela e nem o cara que ficou incomodado, porque entendo perfeitamente, mas hotel com parede de papel nunca mais.

    Enfim, mas as exigências vão mudando com o tempo, né? É tudo tão rápido, cada fase passa voando. Pode ser que daqui a qualquer ano eu mude de idéia novamente…

    Um abraço e parabéns pelo site e pela comunidade do facebook, que sigo sempre.

    Barbara

  4. Erica disse:

    Oi Sut-Mie

    muito legal a entrevista, adorei!
    As fotos são maravilhosas!
    beijos
    Erica

  5. Concordo plenamente. Viajar com filho é apresentar o mundo a ele e compartilhar emoções únicas. Nossa mais recente aventura foi uma road trip pela Califórnia.

    http://www.pequenasescolhas.com.br/california-crianca-disneyland/

    Vou acompanhar seu blog para escolher o próximo destino

  6. Renata disse:

    Este post veio a calhar! rsrsrs

    agora mesmo que, como eu comentei em outro post, estou pensando na tal viagem a Grecia com ou sem minha filha! O fato é que passamos o final do ano no Chile com ela e foi bem cansativo. Antes, quando ela tinha 1 ano, passamos 35 dias pela europa. Foi beeeeem mais facil! Primeiro porque escolhemos alguns destinos que já conhecíamos para, apartir deles, fazer pequenas viagens. Ex: De Paris fui a Estrasburgo, a Brugges…enfim. Desta vez, que não conheciamos nada do local, foi dificil visitar museus, por exemplo. E aí voltei um pouco frustrada pois não pude ver tudo. Então a sua dica de planejar tudo num outro ritmo é realmente FUNDAMENTAL! Até pq, assim como a gente, eles não se comportam da mesma maneira como em casa. Na viagem, ela estava excitadissima com tanta novidade!!! Foi mais dificil comer, obedecer regras…
    Fiquei com esta duvida…como vc faz em locais assim, mais urbanos (ao contrario das praias…) com museus, etc. ? Vcs viajam sem eles para estes locais? Vocês escolhem locais para viajarem sozinhos???
    bjo

Deixe seu Comentário





* Campos obrigatórios